Concerto de abertura da 40ª edição do FIMUV – Festival Internacional de Música de Verão de Paços de Brandão, que decorrerá até 18 de junho.

Para o seu novo álbum Roby Lakatos decidiu tocar com um Ensemble rejuvenescido. Completamente renovado conta com a participação de um leque de jovens músicos Húngaros de faixa etária compreendida entre os 19 e 25 anos. Constituem uma oportunidade única de se imergir num mundo caracterizado pela liberdade musical, ambiente caloroso, virtuosidade incomparável e um surpreendente reportório composto por melodias esquecidas no tempo transformadas em novos e originais arranjos.

ROBY LAKATOS

O violinista cigano Roby Lakatos não é apenas um virtuoso ardente, mas um músico que possui uma versatilidade estilística extraordinária. Igualmente confortável a tocar música clássica como em jazz e no seu idioma Húngaro folk, Lakatos é um músico ímpar que desafia a definição. Ele é referido como violinista cigano ou “violinista diabólico”, um clássico virtuoso, um improvisador do jazz, compositor e arranjador, e recuperador do século XIX, na verdade consegue apresentar todas estas características simultaneamente. Roby é o género de músico universal que raramente encontramos nos tempos correntes – um artista que encontra a sua força como interprete em atividades de improviso e composição. Tocou em grandes salas e festivais pela Europa, Ásia e América.

Nascido em 1965 no seio da lendária família de violinistas ciganos descendendo de Janos Bihari, «Rei dos Violinistas Ciganos», Roby Lakatos foi introduzido na música em criança e aos nove anos de idade teve a sua primeira estreia em público como primeiro violinista numa banda cigana. A sua musicalidade desenvolveu-se não só na sua família mas também no Conservatório Bela Bartók de Budapeste, onde ganhou o primeiro prémio na vertente de violino clássico em 1984. Entre 1986 e 1996, Roby e o seu Ensemble deliciou plateias em «Les Atéliers de la Grande Ille» em Bruxelas, a sua residência musical durante este período. Colaborou com Vadim Repin e Stéphane Grappeli, e a sua maneira de tocar foi extremamente apreciada pelo Sir Yehudi Menuhin, que fez sempre questão de visitar o clube em Bruxelas para ouvir Lakatos. Em março de 2004, Lakatos apareceu para grande regozijo na Orquestra Sinfónica de Londres, no festival «Génio do Violino» ao lado de Maxim Vengerov.

Quando Roby Lakatos mistura a conhecida “música clássica” com a magia da vitalidade Húngaro-cigana, não cria um desrespeito pela herança da cultura nacional, mas reflete a profunda tradição enraizada na herança cultural do Povo Cigano e oferece prazeres novos e refrescantes ao ouvinte e apreciadores musicais. Como Liszt, Brahms e outros usaram elegantes tons Húngaros nas suas composições, consequentemente o público lucra com a confrontação destes clássicos com as raízes ciganas. Tudo isto dá vida a todos estes homens e mulheres cujas suas veias ainda pulsam um pouco do sangue de espírito rebelde.

Roby não é apenas um virtuoso extraordinário mas sim um mágico possuidor de uma técnica única e o seu estilo aborrece muitos. É um músico raro que consegue tocar musica Clássica, Jazz e, naturalmente com o seu idioma, folk Húngaro, cheio de energia e qualidade técnica, redefine todos os géneros com o seu violino. Atuou nos grandes palcos e festivais da Europa, Ásia e América e tocou com os maiores performers de jazz tal como Herbie Hancock, Quincy Jones, Stéphane Grappel, entre outros.

Local: Grande Auditório Europarque | Hora: 21h30 | Tipologia: World Music | Público-Alvo: População em Geral | Informações: geral@cirac.pt ou 227 459 829 / 918 923 529

Agenda

21h30
6 de Maio

Grande Auditório

Roby Lakatos & Ensemble
ver evento
19h00
12 de Maio

Auditório da Academia de Música de Paços de Brandão

Concerto de Laureados
ver evento
21h30
20 de MAIO

Igreja de Paços de Brandão

Yang Liu (Violino) + Solista OFP
ver evento

17h30
28 de MAIO

Auditório do CiRAC

Rumos Ensemble "Percorrendo Portugal"
ver evento
18H00
2 de Junho

Cineteatro António Lamoso

Violiníssimos da Academia de Música de Paços de Brandão + Ritmare (Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas)
ver evento
21h30
4 de Junho

Auditório da Academia de Música de Paços de Brandão

Miroslav Kultishev (Piano)
ver evento

17h30
11 de Junho

Grande Auditório Europarque

Orquestra Filarmónica Portuguesa
ver evento
21h30
17 de Junho

Grande Auditório do Europarque

L’Rolling Clarinet Band
ver evento
18h30
18 de Junho

Igreja dos Passionistas

Missa da Coroação - Mozart
ver evento

O Festival

O Festival Internacional de Música de Verão de Paços de Brandão (FIMUV) é um projeto cultural do CiRAC – Paços de Brandão, uma associação cultural, de âmbito juvenil que, desde 1977, de forma ininterrupta, tem vindo a realizar este Festival. Em 2017 o FIMUV comemora a sua 40ª edição sendo, por isso, um dos mais antigos festivais de música clássica apoiados pelos organismos que tutelam a Cultura em Portugal (DGArtes /Ministério da Cultura – ou Secretaria de Estado da Cultura).

Pela direção artística deste Festival já passaram grandes nomes do panorama nacional e internacional, tais como o maestro António Victorino de Almeida e o músico/instrumentista Carlos Piçarra Alves (clarinetista e membro do júri da DGArtes/Ministério da Cultura). Cada um dos diretores artísticos teve um papel relevante e diferenciador para, através da programação cultural, trazer dimensão e notoriedade ao FIMUV.

Em 2012, a Direção do CiRAC – Paços de Brandão convidou o músico/instrumentista e professor universitário Augusto Trindade (violino), cujo percurso profissional e artístico vieram potenciar a dinâmica deste projeto no território cultural de Santa Maria da Feira e da Grande Área Metropolitana do Porto. Com esta escolha foi possível consolidar sinergias com outras instituições locais e nacionais ligadas à Música, nomeadamente a Academia de Música de Paços de Brandão, a Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco, bem como outros Festivais de Música e agentes culturais.

A matriz do FIMUV assenta, essencialmente, na dinamização, descentralização e promoção da atividade cultural, através da Música, num território geográfico que vai da Grande Área Metropolitana do Porto até à Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, pelo que, toda a programação é pensada tendo em conta a sustentabilidade do projeto, as necessidades relativas à oferta cultural e públicos, o livre acesso e fruição da Cultura.

Tendo em conta a realidade geográfico-territorial onde está inserido, o FIMUV, nas propostas que apresenta, tem vindo a valorizar o potencial artístico e criativo dos agentes culturais locais, desenvolvendo projetos de cooperação e parceria que cruzam a atividade destes agentes com outros de âmbito nacional e internacional.

Entram no rol de parceiros do FIMUV a nível local, nacional e internacional, entre outros, os seguintes agentes: a Academia de Música de Paços de Brandão, o Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas, o Museu do Papel, o Museu de Santa Maria de Lamas, a Casa da Música – Porto, Festival de Sintra, Câmara Municipal de Castelo Branco, ESART, Concurso Internacional de Música “Terras de La Sallete”, Concurso Internacional de Música do Fundão, Folefest, Casa da Música de S. Petersburgo e Embaixada da Rússia.

O 40° Festival Internacional de Música de Verão, em 2017 será realizado entre 6 de maio e 18 de junho. Contará com 9 iniciativas, envolvendo concertos, recitais, projetos educativos e outros, com propostas de elevada qualidade artística e cultural, na sua maioria gratuitas, a terem lugar em diversos espaços da vila de Paços de Brandão e do concelho de Santa Maria da Feira.

Para 2017 a programação contempla uma programação diversificada que vai desde um concerto de Música de Câmara com a participação do prestigiado violinista Yang Liu, acompanhado por Solistas da Orquestra Filarmónica Portuguesa, um concerto sinfónico, com a recém-criada Orquestra Filarmónica Portuguesa, dirigida pelo Maestro Osvaldo Ferreira, tendo como solista Alexander Ramm, violoncelista premiado em vários concursos internacionais, passando por um recital de piano com o pianista russo Miroslav Kultishev, laureado no 13° International Tchaikovsky Competition (Casa da Música de S. Petersburgo), e ainda a apresentação de projetos pedagógicos e de música coral com a interpretação da Missa da Coroação de Mozart, por um misto de diversos grupos corais, envolvendo o Coro do CiRAC, o Coro do Orfeão Universitário do Porto e o Coro da Sé Catedral do Porto com o acompanhamento musical da Orquestra de Jovens de Santa Maria da Feira, dirigida pelo Maestro Paulo Martins.

De salientar ainda a inclusão na programação de dois concertos com nomes atuais, de referência no panorama musical, nomeadamente: Roby Lakatos, conceituado violinista na vertente World Music, ou os L´Rolling Clarinet Band, grupo de excelência na vertente de sopros.

Galeria

Contatos

Círculo de Recreio, Arte e Cultura

Avenida da Sobreira, 328, 4535-334
Paços de Brandão, Portugal

geral@cirac.pt (+351) 227 459 829